Votação remota do Novo Marco do Saneamento. Foto: Reprodução

A primeira grande vitória do saneamento no Brasil

Tempo de leitura: 2 minutos

A união da sociedade e do governo foi fundamental para a vitória do primeiro grande desafio em direção à urgente universalização do saneamento básico no Brasil: a articulação política para a aprovação do novo marco regulatório no Senado. O desafio, agora, é manter a união para enfrentar a segunda batalha: a aprovação da regulamentação. O investimento privado levará saúde, emprego e melhor qualidade de vida para milhões de brasileiros. Saneamento é um assunto coletivo. Vitória do Brasil!

A aprovação do marco regulatório do saneamento no Senado foi um ato histórico. O novo marco oferece o arcabouço legal para tirar o País do atraso vergonhoso da dramática situação precária do saneamento. Hoje, mais de 100 milhões de brasileiros não possui esgoto tratado e 35 milhões não têm água tratada. O novo marco dá as condições legais para que o investimento privado possa universalizar o saneamento até 2033.

Articulação política na Câmara

O Congresso Nacional respondeu ao anseio da sociedade e votou a favor do Brasil. Foi uma longa jornada, iniciada na Câmara dos Deputados. O relator do projeto na Câmara, deputado Geninho Zuliani (DEM-SP), teve coragem de apresentar um projeto de lei confrontando o corporativismo das empresas estatais e dando condições legais para que a iniciativa privada e os governos estaduais e municipais possam unir esforços por meio de concessões, parceria público privada ou privatização para universalizar o saneamento no País.

Merece também o reconhecimento do trabalho dos líderes partidários e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que souberam contornar as resistências políticas, acatar sugestões e recomendações de seus pares e garantir uma votação histórica em junho de 2019: foram 290 a favor do marco regulatório e apenas 34 votos contra.

Articulação política no Senado

No Senado, o projeto foi relatado pelo senador Tasso Jereissatti (PSDB-CE), um dos mais respeitados membros do Congresso Nacional. O senador Tasso relatou um texto impecável que foi elogiado por todos os senadores de diversos partidos. Manteve a essência do projeto da Câmara e costurou acordos para que o presidente da República vete alguns pontos do projeto. O presidente do Senado, David Alcolumbre, em parceria com os líderes partidários, foi capaz de construir o consenso em torno do projeto e evitar que a votação de destaques obrigasse o projeto voltar à Câmara.

Vitória do Brasil

Quando a sociedade civil e o Congresso Nacional estão unidos em torno dos projetos modernizadores do País, o Brasil avança. Essa união foi vital para a aprovação das reformas trabalhistas e previdenciária e também do marco do saneamento básico. Agora, o desafio é manter essa união do Parlamento, governo e sociedade para agilizar a aprovação da regulamentação do marco do saneamento. O investimento privado levará não só água e esgoto tratado à população como também emprego, saúde e melhor qualidade de vida para milhares de brasileiros.

Compartilhe conhecimento
Tempo de leitura: 2 minutos
Curadoria
 

Seleção diária de artigos para enriquecer a discussão da agenda positiva do País

13/4 TERÇA

  1. NO VALOR. Entrevista com Carlos Ari Sundfeld. Interferência de um poder sobre outro é o normal. Jurista critica a nova Lei de Licitações e afirma que municípios e até mesmo o governo federal poderão não cumprir as novas regras para contratações.
  2. NO ESTADÃO. Felipe Salto. Alô, alô, planeta Terra chamando. O Brasil perdeu a capacidade de planejar. Esse é o pecado original não expiado.
  3. NA FOLHA. Cecilia Machado. Um ano de pandemia e não conseguimos resolver detalhes elementares do auxílio emergencial. É difícil entender por que insistimos em um desenho que não atende preceitos básicos que uma ajuda assistencial deve satisfazer.
  4. NO ESTADÃO. Pedro Fernando Nery. Deveríamos falar em vacinar primeiro a população negra. Negros têm probabilidade maior tanto de morte quanto de internação do que brancos.
  5. NO ESTADÃO. Ana Carla Abrão. Brasil tem tanta vida que vale a pena buscar uma saída. Com a pandemia e a assimetria dos seus impactos por renda, gênero e raça, não haverá o que se comemorar nos próximos. 
  6. NO ESTADÃO. Rubens Barbosa. Questão religiosa. Estamos diante de um problema político sério que a direita evangélica traz para a democracia.
  7. NO ESTADÃO. Bernard Appy. Reforma tributária dos EUA traz sinalizações importantes para o mundo. Mudanças visam arrecadar recursos para o programa de investimentos do governo de Joe Biden.
  8. NO VALOR. Izabella Teixeira e Ana Toni. Geopolítica da sustentabilidade e as negociações Brasil-EUA. É a Amazônia que coloca ou retira o Brasil do mundo contemporâneo.
  9. NO VALOR. Rana Foroohar. A indústria e as superpotências. Biden defendeu a reavaliação das vulnerabilidades da cadeia de suprimentos.
  10. NO O GLOBO. Synesio Sampaio Goes Filho. Alexandre de Gusmão, um ilustre desconhecido. 

    Receba a curadoria todos os dias em seu email

Compartilhe conhecimento