Os eleitores de Balneário Camboriú (SC) reelegeram o prefeito Fabrício Oliveira (Podemos) em 2020. Camboriú é terceira colocada no quesito Sustentabilidade Fiscal do Ranking de Competitividade dos Municípios 2020.

Aos bons gestores, a reeleição

Tempo de leitura: 3 minutos

Em 2020, os eleitores deram um importante recado aos prefeitos: boas gestões fiscais são fundamentais para o sucesso eleitoral. A análise foi baseada nos dados do Ranking de Competitividade dos Municípios.

Prefeitos comprometidos com o equilíbrio das finanças de suas cidades foram premiados com a reeleição. Essa relação positiva é uma das que salta aos olhos na análise dos dados do Ranking de Competitividade dos Municípios, criado a partir da análise de 55 indicadores agrupados em 12 pilares temáticos e 3 dimensões (insituições, sociedade e economia).

Idealizado pelo CLP – Centro de Liderança Pública em parceria com o Gove Digital e o Sebrae, o Ranking avaliou 405 municípios com mais de 80 mil habitantes em 2019. Em 57% das cidades analisadas, os prefeitos conseguiram se reeleger ou fazer sucessores.

Os dados do ranking permitem tirar conclusões sobre a qualidade da administração e o sucesso nas urnas dos prefeitos de diferentes cidades. O gráfico abaixo mostra, por exemplo, que a nota média do conjunto de cidades onde houve reeleição foi maior do que nos outros municípios.

Em alguns pilares temáticos, como sustentabilidade fiscal, a diferença entre reeleitos ou não foi significativa, sugerindo que esse quesito favoreceu o sucesso eleitoral dos atuais prefeitos.

A economista Zeina Latif, em artigo recente, atribuiu a reeleição ou a vitória de candidatos apoiados por prefeitos a dois fatores: a competência em lidar com a pandemia, medida pela taxa de mortes em relação à população; e a situação fiscal, medida pela razão entre o gasto com custeio e o gasto total. Afirma a economista: “Dados sugerem que boas gestões foram valorizadas pelos eleitores, mesmo em meio à polarização. Uma boa notícia”.

Boa gestão fiscal é trunfo eleitoral

A boa saúde financeira contribui para prefeitos manterem as contas em dia com o funcionalismo e com os fornecedores, além de terem mais disponibilidade de caixa para realizar investimentos. Dessa maneira, a probabilidade de prestarem melhores serviços para a população é maior. Os municípios com maior solidez fiscal também possuem maior credibilidade junto aos contribuintes e às empresas, o que aumenta a capacidade de atrair investimentos privados e promover a geração de empregos.

Nas 10 cidades mais bem colocadas no pilar de solidez fiscal, os prefeitos foram reconduzidos ao cargo.

Grandes desafios à frente

Os bons gestores terão um caminho menos árduo à frente, mas, mesmo para eles, há desafios tremendos no decorrer dos próximos quatro anos. O primeiro será lidar com as questões sanitárias da pandemia, evitando um novo crescimento do número de mortes e providenciando a estrutura necessária para o plano de imunização da população. Claro que essa não é uma responsabilidade exclusiva dos governos locais, mas os prefeitos cumprirão um papel fundamental.

Outro desafio diz respeito à educação de jovens e crianças que ficaram sem aula presencial durante quase um ano. Será preciso realizar um grande esforço para recuperar o tempo perdido.  

Além disso, com o fim do auxílio emergencial e sem as medidas necessárias para reativar a economia, como o conjunto de reformas que estão paradas no Congresso, a crise econômica tende a se agravar. As taxas de desempregos devem aumentar consideravelmente, assim como o número de pessoas em situação de pobreza e extrema pobreza.   

Por último, os prefeitos terão que enfrentar o desequilíbrio orçamentário das finanças municipais, agravado pela diminuição da arrecadação do ISS, pelos elevados gastos com saúde, e, em muitos casos, pelos gastos crescentes com aposentadorias e pensões.

Por tudo isso, os prefeitos precisam se empenhar diretamente na defesa de reformas. A reforma administrativa, por exemplo, deve ser aprovada o quanto antes para que eles possam recompensar o desempenho dos bons servidores e aumentar a produtividade e a qualidade dos serviços prestados ao cidadão. A reforma também permitirá ter as finanças mais equilibradas.

Qualidade da administração e sucesso nas urnas andam de mãos dadas. Que os políticos ouçam a mensagem das urnas. A população agradece.

Compartilhe conhecimento
Tempo de leitura: 3 minutos
Curadoria
 

Seleção diária de artigos para enriquecer a discussão da agenda positiva do País

13/4 TERÇA

  1. NO VALOR. Entrevista com Carlos Ari Sundfeld. Interferência de um poder sobre outro é o normal. Jurista critica a nova Lei de Licitações e afirma que municípios e até mesmo o governo federal poderão não cumprir as novas regras para contratações.
  2. NO ESTADÃO. Felipe Salto. Alô, alô, planeta Terra chamando. O Brasil perdeu a capacidade de planejar. Esse é o pecado original não expiado.
  3. NA FOLHA. Cecilia Machado. Um ano de pandemia e não conseguimos resolver detalhes elementares do auxílio emergencial. É difícil entender por que insistimos em um desenho que não atende preceitos básicos que uma ajuda assistencial deve satisfazer.
  4. NO ESTADÃO. Pedro Fernando Nery. Deveríamos falar em vacinar primeiro a população negra. Negros têm probabilidade maior tanto de morte quanto de internação do que brancos.
  5. NO ESTADÃO. Ana Carla Abrão. Brasil tem tanta vida que vale a pena buscar uma saída. Com a pandemia e a assimetria dos seus impactos por renda, gênero e raça, não haverá o que se comemorar nos próximos. 
  6. NO ESTADÃO. Rubens Barbosa. Questão religiosa. Estamos diante de um problema político sério que a direita evangélica traz para a democracia.
  7. NO ESTADÃO. Bernard Appy. Reforma tributária dos EUA traz sinalizações importantes para o mundo. Mudanças visam arrecadar recursos para o programa de investimentos do governo de Joe Biden.
  8. NO VALOR. Izabella Teixeira e Ana Toni. Geopolítica da sustentabilidade e as negociações Brasil-EUA. É a Amazônia que coloca ou retira o Brasil do mundo contemporâneo.
  9. NO VALOR. Rana Foroohar. A indústria e as superpotências. Biden defendeu a reavaliação das vulnerabilidades da cadeia de suprimentos.
  10. NO O GLOBO. Synesio Sampaio Goes Filho. Alexandre de Gusmão, um ilustre desconhecido. 

    Receba a curadoria todos os dias em seu email

Compartilhe conhecimento