Carlos Ari Sundfeld | Lei de Improbidade e Reforma Administrativa

Tempo de leitura: < 1 minuto

VirtùNews conversa com o professor Carlos Ari Sundfeld sobre a revisão da Lei de Improbidade Administrativa e sobre a Reforma do RH do Estado. 

Carlos Ari é presidente da Sociedade Brasileira de Direito Público e um dos fundadores da Faculdade de Direito da Fundação Getulio Vargas. 

Para Carlos Ari, a  Lei de Improbidade Administrativa, Lei 4.829 de 1992, distorce a gestão pública e prejudica o poder de decisão do gestor. Na sua opinião, a atual proposta de reforma traz foco necessário ao poder punitivo do Estado e tem capacidade de diminuir irregularidades do gestor público.

o RH do Estado é um mundo de desigualdades, afirma o professor.  É preciso retirá-lo da Constituição brasileira para que as mudanças necessárias sejam possíveis. É essencial que a reforma não atinja apenas os novos servidores, e que ela inaugure a real gestão de pessoas no Estado. Hoje, o desempenho do servidor não é avaliado.

Direto ao ponto: a entrevista em blocos

00:12 – A Lei de Improbidade Administrativa não é eficiente
02:57 – A Reforma da Lei traz foco ao poder punitivo do Estado
03:50 – A atual Lei provoca “apagão de canetas” e distorção na gestão pública
05:51 – A maioria das ações por improbidade são violação de princípios
08:50 – A revisão da Lei será eficiente se promover a diminuição de irregularidades e conflitos
11:57 – O RH do Estado é um mundo de desigualdades
16:08 – Não há gestão de pessoas no Estado
19:11 – É preciso retirar o RH público da Constituição brasileira
23:20 – A Reforma Administrativa não pode atingir apenas os novos servidores

Compartilhe conhecimento
Tempo de leitura: < 1 minuto
Curadoria
 

Seleção diária de artigos para enriquecer a discussão da agenda positiva do País

23/10 SEXTA

  1. NO ESTADÃO. Artigo de Marina Medeiros. Análise: Serviços de qualidade dependem de políticas públicas baseadas em evidências. Este é o caminho para que gestores públicos mitiguem as dificuldades, riscos e custos e consigam garantir o acesso à serviços públicos de qualidade à população.
  2. NO VALOR. Sylvia Coutinho. O país das finanças verdes? Limitações de recursos naturais, mudanças de clima e questões sociais são potenciais riscos à retomada econômica.
  3. NO VALOR. Edvaldo Santana. O desequilíbrio estável. Entre 2012 e 2020 foram editadas 17 MPs para o setor elétrico, mais de duas leis por ano.
  4. NO VALOR. Entrevista com Alejandro Werner, diretor do departamento para o Hemisfério Ocidental do FMI. Teto é essencial, mas tirar todo apoio fiscal pode afetar retomada.
  5. NA FOLHA.Artigo de opinião. Ensaio de privatização. Governo anuncia estudo para vender os Correios, mas inoperância é obstáculo
  6. NO ESTADÃO. Elena Landau. ‘Me chame pelo meu nome’. PEC do Amanhã se resume a uma reforma administrativa do ‘poder executivo civil’.
  7. NA FOLHA. Djamila Ribeiro. O Brasil é um país ou um abatedouro de mulheres? Artigo sobre os dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Receba a curadoria todos os dias em seu email

Compartilhe conhecimento