Gustavo Franco | É possível um Brasil liberal?

Tempo de leitura: < 1 minuto



No oitavo episódio da série Perspectivas 2020, Gustavo Franco fala sobre erros e acertos do governo Bolsonaro, ameaças e oportunidades para o ano, recuperação cíclica da economia, mudança de modelo econômico, com encolhimento do setor público e ampliação do papel do setor privado no processo de crescimento do Brasil, e sobre a retomada de investimento externo.

Virtù News apresenta em vídeo e podcast, entrevista com o economista Gustavo Franco. A entrevista faz parte da série Perspectivas 2020, que reúne visões de 9 dos mais argutos agentes e observadores da cena política, econômica, jurídica e educacional do Brasil. Resultados de conversas com Luiz Felipe D’Avila, criador do Virtù, os depoimentos formam um mapa do caminho inédito e seguro para quem precisa tentar entender o que o ano de 2020 guarda de desafios e oportunidades.

Gustavo Franco é economista e ex-presidente do Banco Central do Brasil. É conhecido por ter integrado a equipe responsável pela criação e implementação do Plano Real. É professor do Departamento de Economia da PUC-Rio desde 1986 e sócio da Rio Bravo Investimentos. Publicou diversos livros e escreve regularmente para jornais de grande circulação. Foi também presidente do Conselho de Governança do Instituto Millenium até 2019.

Ouça o podcast

 

Outras entrevistas

Affonso Celso Pastore | Desafios da economia
Ana Carla Abrão | A Reforma Administrativa
Ana Maria Diniz | Educação
Carlos Ari Sundfeld | Insegurança jurídica
Fabio Barbosa | Valores e governança
Gustavo Franco | É possível criar um Brasil liberal?
José Roberto Mendonça de Barros | Desafios do crescimento sustentável
Maria Cristina Pinotti | A Corrupção e o poder transformador da Sociedade
Maria Silvia Bastos | Infraestrutura e Saneamento



Compartilhe conhecimento
Tempo de leitura: < 1 minuto
Curadoria
 

Seleção diária de artigos para enriquecer a discussão da agenda positiva do País

8/3 SEGUNDA

    1. NO ESTADÃO. Uma transformação muito positiva. Ao diminuir os incentivos a partidos nanicos, a cláusula de barreira é um passo importante para reduzir a atual fragmentação partidária.
    2. NO ESTADÃO. Almir Pazzianotto Pinto. O presidente e a reeleição. “Como a oposição lidará com o problema e se organizará em frente única, é difícil saber. Os adversários do presidente Jair Bolsonaro revelaram total incapacidade de comunicação com a opinião pública.”
    3. NO ESTADÃO. Fernando Henrique Cardoso. A epidemia e a política. “Por enquanto o que se vê é uma mídia quase unânime na crítica à falta de condições de quem nos governa para manter um mínimo de coerência na ação. É muito, mas é pouco. Enquanto não aparecer alguém com força para expressar outro caminho viável, o presidente leva vantagem.”
    4. NO ESTADÃO. A emancipação das estatais. Documento da OCDE alerta para os riscos do uso político das empresas estatais.
    5. Na FOLHA. Carlos Zarattini. As alterações previstas na Lei de Improbidade Administrativa são adequadas. Descrições dos crimes precisam ser mais objetivas, evitando subjetividades.
    6. NO ESTADÃO. Adriano Pires. Alertas sobre a MP de privatização da Eletrobrás. Privatizar a estatal é fundamental, mas não há espaço para aventuras, nem para milagres, nem para milagreiros.
    7. NO PODER 360. Alexei Macorin Vivan. É preciso reduzir os subsídios na energia elétrica.
    8. NO VALOR. Economia desacelera com falta de vacina. Economistas preveem recessão técnica como consequência da gestão do governo Bolsonaro em relação à pandemia.
    9. NO VALOR. Eduardo Matias. Por um marco legal mais ambicioso para as startups. Projeto encaminhado pelo governo ignorou temas tributários e trabalhistas.
    10. NA FOLHA. Samuel Pessôa. Artigo que caiu da PEC Emergencial diz muito sobre nós.
    11. NA FOLHA. Marcos Lisboa. O inferno são os outros. ‘As críticas às medidas para conter o crescimento do gasto público obrigatório são  rebatidas com a lembrança dos nossos problemas sociais. No fim do dia, contudo, a expansão permanente do governo termina sendo consumida por aumentos na despesa com servidores, com poucos avanços na qualidade da política pública.’
    12. NO ESTADÃO. Paulo Leme. Tamanho (do pacote) não é documento. Plano de auxílio nos EUA não foca no que é necessário: investir em infraestrutura.
    13. NA FOLHA. Guilherme Tinoco e Felipe Salto. Mário Covas deixou saldo de modernização da máquina pública.
    14. NO BLOG DO IBRE. Laísa Rachter. Igualdade de gênero traz benefícios também para a economia. 

Receba a curadoria todos os dias em seu email

Compartilhe conhecimento