Enquantro Trump anuncia guerra contra coronavírus nos EUA, Bolsonaro vai às compras em Brasília. Foto: Reprodução | Marcos Pereira | Estadão Conteúdo

Trump e Bolsonaro: realismo x suicídio político

Tempo de leitura: 2 minutos

O presidente dos EUA compreendeu o impacto político do número de mortes associado ao coronavírus e mobilizou o arsenal americano para enfrentar a mais dura crise humanitária e econômica do século 21. Quer a reeleição. No Brasil, Bolsonaro traçou um caminho suicida: nega a gravidade da crise, insiste no fim da quarentena e na retomada da atividade econômica. Todos os dias, cresce o número de políticos que pulam fora do navio do governo.

O presidente Trump deu uma lição de realismo político ao seu amigo brasileiro, presidente Bolsonaro. No início de março, o discurso do presidente americano estava alinhado com o do presidente brasileiro: ambos consideravam o coronavírus uma “gripezinha”. Mas os dados e os fatos fizeram Trump mudar de ideia.

No fim de março, o presidente americano considerou a epidemia do coronavírus “cruel” e mobilizou o arsenal americano para enfrentar a mais dura crise humanitária e econômica do século 21. No front econômico, o governo propôs e o Congresso aprovou uma ajuda emergencial de 2 trilhões de dólares para socorrer americanos desempregados e pequenas empresas.

O realismo político de Trump

No front humanitário, Trump entendeu a gravidade da epidemia. Recuou da sua decisão descabida de cravar a Páscoa como a data da retomada a atividade econômica nos Estados Unidos e, com uma voz grave e semblante sério, preparou os americanos para enfrentar um número assustador de mortes nas próximas semanas.

Segundo as estimativas, o coronavírus poderá matar de 100 mil a 240 mil pessoas no país esse ano.  Isso significa que em 2020 poderá morrer mais americanos do que em três anos da Guerra da Coreia (1950-1953), vinte anos da Guerra do Vietnã (1955-1975), dezenove anos de guerra no Afeganistão (2001-2020) e oito anos de guerra no Iraque (2003-2011).

Trump compreende o impacto político do número de perda de vidas para a guerra contra o coronavírus. Um presidente insensível ao número extraordinário de cadáveres pode ser fatal para sua reeleição. Daí a mudança radical do seu discurso político e da sua atitude como presidente.

O Titatic Bolsonaro

Bolsonaro não aprendeu a lição política de Trump. Continua a insistir num discurso de negação da crise do coronavírus, rechaça os dados e fatos, insiste no fim da quarentena e na retomada da atividade econômica. O caminho que traçou é politicamente suicida.

Todos os dias, o número de desertores do Titanic Bolsonaro pulam fora do navio do governo. Vinte e quatro dos 27 governadores já estão na oposição. Os partidos aliados do presidente no Congresso assumiram uma postura de independência. Até mesmo ministros do governo já discordam publicamente do presidente.

É o caso do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; uma das poucas vozes sensatas na liderança da crise, juntamente com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Enquanto Trump tenta remediar o tempo perdido em negar a crise do coronavirus, Bolsonaro e seu Titanic continuam a afundar no oceano da insensatez política.

Compartilhe conhecimento
Tempo de leitura: 2 minutos
Curadoria
 

Seleção diária de artigos para enriquecer a discussão da agenda positiva do País

19/1 TERÇA

  1. NO ESTADÃO. Ana Carla Abrão. O começo do fim. Vacina nos permitirá retomar discussão de rumo para um País à deriva.
  2. NO ESTADÃO. Pedro Fernando Nery. Vacina pública ou vacina privada? O que do modelo exitoso das vacinas pode ser replicado em outros órgãos?
  3. NO PODER 360. Roberto Livianu. Vacina, tragédia de Manaus e a democracia acima de todos. 
  4. NO ESTADÃO. Bernard Appy. Distribuição federativa da receita. Discussão não pode ter por base argumentos genéricos de que a carga tributária é muito concentrada na União.
  5. NO PODER 360. Adriano Pires. Surpresas para 2021. Impactos da incerteza da pandemia no setor de energia. 
  6. NO VALOR. João Batista Araujo e Oliveira. Desafios da educação e da produtividade. Os brasileiros adquirem mais escolaridade sem adquirir mais conhecimento para torná-los mais produtivos.
  7. NA FOLHA. Cecilia Machado. Asfixia econômica. Pode-se evitá-la com parcimônia, credibilidade e planejamento.
  8. NO O GLOBO. Merval Pereira. O lado certo. 
  9. NO VALOR. Guilherme Lima e Artur Mascarenhas. Vacina e barreiras comportamentais. A lista de obstáculos a serem enfrentados é longa.

Receba a curadoria todos os dias em seu email

Compartilhe conhecimento